Empresa brasileira importa lixo doméstico dos Estados Unidos

Columbia Journalism Investigations, afirma que Ibama interceptou 73 contêineres vindos dos Estados Unidos.
0
111

O site reciclasampa.com.br noticiou que, de acordo com reportagem publicada pelo Portal UOL no dia 28 de janeiro passado, a empresa Jaepel Papeis importou em junho do ano passado papelão misturado ao lixo doméstico dos EUA de forma ilegal para o Brasil.

O texto, produzido por uma equipe do Columbia Journalism Investigations, afirma que o Ibama interceptou 73 contêineres vindos dos Estados Unidos.

Ainda de acordo com o Ibama, o papelão estava misturado com resíduos de uso único de coleta residencial como pratos descartáveis, latas, fraldas, luvas cirúrgicas e máscaras de proteção.

A denúncia indica que a empresa foi multada em R$44 milhões, mas recorreu da decisão e o processo encontra-se em andamento.

Embora a Jaepel, que tem sede em Goiás, negue irregularidades no procedimento, as normas nacionais e internacionais impõem controles rígidos sobre as movimentações nas fronteiras deste tipo de lixo. 

Portanto, as autoridades brasileiras investigam o caso como tráfico ilegal de resíduos perigosos e foi emitido um alerta de atenção para todos os portos do país.

Por e-mail de sua assessoria de imprensa, a empresa preferiu não responder aos questionamentos da reportagem do CJI e afirmou não ter informações para atender as demandas dos repórteres.

Mas, de acordo com o Portal UOL, as seguintes ações foram realmente efetuadas pela empresa:

  • Com sede em Goiás, a empresa Jaepel Papéis importou ilegalmente papelão misturado a lixo doméstico dos Estados Unidos. A informação seria do IBAMA.
  • Além de 73 contêineres vindos dos EUA, o Ibama interceptou outros 20 contêineres vindos de Honduras (10) e República Dominicana (10)
  • Papelão importado estava misturado com resíduos, a exemplo de pratos descartáveis, latas, fraldas geriátricas, luvas usadas e máscaras de proteção
  • Empresa foi multada em R$ 44 milhões, mas recorreu da decisão

Para quem não sabe, é uma prática comum os países ricos exportarem lixo para ser reciclado no terceiro mundo. Também é comum enviarem os resíduos não recicláveis para serem descartados em aterros sanitários e lixões dos países pobres.

Recentemente, os governos das Filipinas e da Malásia, dois dos principais destinos do “lixo dos ricos”, resolveram dar um basta nessa história e proibiram a prática.

A China, desde 2018, também proíbe a importação de lixo dos países ricos, seja reciclável ou não.

 

Leave a reply