IMPOSTO DE RENDA: VALORES DA MALHA FINA ESTÃO LIBERADOS

0
178

Se você caiu na malha fina ano passado ou em anos anteriores, pode ser uma boa notícia: a Receita Federal depositou o lote residual das restituições residuais de todos os exercícios anteriores ao ano passado, inclusive este, estando disponível para consultas.

O valor para 44.966 contribuintes foi depositado na sexta-feira, 25 de fevereiro, no valor total de 100 milhões de reais. Desse total, R$ 74.355.297,45 referem-se ao quantitativo de contribuintes que têm prioridade legal, sendo 2.555 contribuintes idosos acima de 80 anos, 19.611 contribuintes entre 60 e 79 anos, 1.758 contribuintes com alguma deficiência física ou mental ou moléstia grave e 7.146 contribuintes cuja maior fonte de renda seja o magistério.

Foram contemplados ainda 13.896 contribuintes não prioritários que entregaram a declaração até o dia 30 de junho de 2021.

Para saber se a restituição está disponível, o contribuinte deve acessar a página da Receita na internet (www.gov.br/receitafederal), clicar em “Meu Imposto de Renda” e, em seguida, em “Consultar a Restituição”.

O pagamento da restituição é realizado diretamente na conta bancária informada na Declaração de Imposto de Renda. Se, por algum motivo, o crédito não for realizado (por exemplo, a conta informada foi desativada), os valores ficarão disponíveis para resgate por até um ano no BB (Banco do Brasil).

Neste caso, o cidadão poderá reagendar o crédito dos valores de forma simples e rápida pelo Portal BB, acessando o endereço: https://www.bb.com.br/irpf, ou ligando para a Central de Relacionamento BB por meio dos telefones 4004-0001 (capitais), 0800-729-0001 (demais localidades) e 0800-729-0088 (telefone especial exclusivo para deficientes auditivos).

Caso o contribuinte não resgate o valor de sua restituição no prazo de um ano, deverá requerê-lo pelo Portal e-CAC, disponível no site da Receita Federal, acessando o menu Declarações e Demonstrativos > Meu Imposto de Renda e clicando em “Solicitar restituição não resgatada na rede bancária”.

 

Leave a reply