DIAGNÓSTICO DE DEFICIÊNCIAS É TEMA DE CAPACITAÇÃO DO UNICEF E ROCHE

0
43

 

A iniciativa tem como objetivo o compartilhamento de boas práticas ainda na primeira infância e será implementada até dezembro de 2022 em Unidades Primárias de Saúde (UPS) de seis capitais brasileiras.

O Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), em parceria com a Roche, capacitou profissionais de mais de 500 unidades de saúde e educação infantil para promover o diagnóstico precoce e o estímulo de crianças com atraso no desenvolvimento.

Apesar da jornada de pessoas com doenças raras muitas vezes ter início na primeira infância, pode levar até sete anos para a identificação de algum tipo de morbidade em uma criança. Por isso, o UNICEF e a Roche se uniram a prefeituras de seis cidades brasileiras para promover o diagnóstico precoce de deficiências e doenças raras – entre elas, a atrofia muscular espinhal e o autismo.

A iniciativa Unidade Amiga da Primeira Infância (Uapi) já capacitou 1.854 profissionais de saúde de 514 unidades, sendo 400 unidades de saúde e 114 unidades de educação infantil em Belém, no Recife, no Rio de Janeiro, em Salvador, em São Luís e em Fortaleza.

A capacitação é composta de três módulos que abordam a atenção integral e integrada da rede de serviços básicos para a primeira infância – incluindo crianças com deficiência, doenças raras e atraso no desenvolvimento; mapeamento e qualificação da oferta dos serviços no município; a educação infantil como proteção contra todas as formas de violência; indicadores de qualidade na educação infantil; além de o olhar para a inclusão e as diversas formas de aprender e ensinar.

“Investir no cuidado integral e integrado nos seis primeiros anos de vida – olhando conjuntamente os diferentes aspectos do desenvolvimento infantil – traz mais resultados que em qualquer outra fase da vida”, declarou a chefe de Saúde do UNICEF no Brasil, Cristina Albuquerque.

Boas práticas – A iniciativa tem como objetivo o compartilhamento de boas práticas ainda na primeira infância e será implementada até dezembro de 2022 em Unidades Primárias de Saúde (UPS) de seis capitais brasileiras, capacitando profissionais de saúde para realizar o diagnóstico inicial, acompanhar e referenciar as crianças para serviços especializados para confirmação diagnóstica, tratamento e reabilitação. A iniciativa também será implementada em Unidades de Educação Infantil, capacitando profissionais para referenciamento de casos suspeitos e para o oferecimento de serviços inclusivos para todos.

“Essa iniciativa evidencia o potencial das parcerias público-privadas, oferecendo acesso à saúde de forma democrática, sustentável e eficiente”, explicou o presidente da Roche Farma Brasil, Patrick Eckert.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), o conceito de doença rara atinge, atualmente, 65 pessoas em cada grupo de 100 mil indivíduos, ou seja, 1,3 para cada 2 mil pessoas. No Brasil, o número de pessoas com alguma doença rara chega a 13 milhões, de acordo com a Interfarma.

A iniciativa tem como objetivo o compartilhamento de boas práticas ainda na primeira infância e será implementada até dezembro de 2022 em Unidades Primárias de Saúde (UPS) de seis capitais brasileiras. Foto: UNICEF

 

 

 

Leave a reply